sábado, 13 de novembro de 2010

Virtu(ALL)

Ardil é a palavra
Que se faz imagem
Nesse espaço digital


Ardil é a palavra
Cursiva esquiva quase viva
Como em si a vida


Minimizar o ser
Em função do ter
A poesia protesta


A poesia solidária
Se retira
Sem tirar nem por


Na vida ser natural é difícil
Na poesia é impossível
Poesia é personalidade


A poesia queima
A arte aparente
Do viciado espaço


Comprado e/ou alugado
Seja onde for
O plug do plugado


A poesia e escrita
A emoção é descrita
Acende e se apaga


Volta a se acender
A toque de dedos
Diz o que tem pra dizer


Meio bit
Meio burro
Tudo é turvo

Tácito

8 comentários:

Alvaro Oliveira disse...

Amigo Tácito

Simplesmente EXCELENTE!

Bom fim de semana.

Alvaro

mARa disse...

Querido, o que dizer...nem sei,

tudo é válido na poesia, acho que sim...vale o sentimento impresso, se real ou virtual, verdadeiro ou inventado, na poesia basta o transformar em dor ou amor ou amor e dor...acho...

beijo!

Denise Guerra disse...

Oi Tácito,sempre que velho aqui me encanto com sua lucidez e com o sentimento à flor da pele revelado nos seus poemas tão atuais e arcaicos como o amor. Este aqui parece sagaz, realista e ao mesmo tempo caloroso! tenha um bom feriado e boa semana! bjs!

Maria Ribeiro disse...

PAULO: o mundo virtual tem tendência a ser um complemento do mundo real...
Quantos amigos nao se conhecem por esse meio?
BEIJINHO
Mª ELISA

Solange disse...

Tácito...

a poesia tudo permite... e muitas vezes acaba nos aproximando...

amo suas palavras...

beijo grande

RaSena disse...

Tácito,
que lindo, na poesia não precisamos ser naturais, pois falamos com o coração e suas emoções....
mas, na vida, não podemos ser naturais.
abraços,

Domingos Barroso disse...

e quantas vezes se vê uma toalha de retalhos sem um fio mágico
...

Forte abraço,
camarada.

Graça Pereira disse...

A Poesia...diz o que tem para dizer, sem ardis,completamente natural!
Gosto do que escreves.
Beijo
Graça