sexta-feira, 13 de agosto de 2010

ODE AO FUTURO


Aos deuses,
Nunca tarda,
A dádiva perdida...

Passem-se os anos:
Não tardará
O que nunca tarda.

Em breve,
Sobre o campo seco,
O amanhecer da chuva
.

Tácito

6 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

Surrealista mais belo, como sempre.
Um abraço

Guará Matos disse...

Se o futuro a Deus pertence, o que restou a mim?

Abraços.

REGGINA MOON disse...

Tacito,

Maravilha de verso...em poucas palavras, tanto dizem...
Nada como o amanhã para se fazer renovarem as esperanças...

Grande beijo e ótimo Domingo!

Reggina Moon

Graça Pereira disse...

Gosto destes poemas que...em meia dúzia de palavras...dizem tudo!
A estrutura deste...está maravilhosa!
Beijo
Graça

Denise Guerra disse...

Imagens, luzes, cores, odores... seus poemas são tão vivos que parecem botões de tocar sentidos diversos! Bjs!

Whesley Fagliari disse...

Caro amigo Tácito,

Mais uma vez a surpresa cavalga em mim ao chegar aqui e perceber que consegues melhorar sempre o que já era demais!

Honra sempre grande recebe-lo com suas palavras tão contundentes e importantes... Muito obrigado!

Que Baco e a Loucura histriã de Erasmo sempre estejam tamborilando em nossa vidas!

Luz e paz!!