segunda-feira, 27 de abril de 2009

POBRE RIMA POBRE...

Criatura Divina.
Atriz, meretriz,
rainha, concubina,
mulher, menina.

Sente mais do que vê,
pouco retém na retina.
Cria, recria,
intui, imagina.

Não mente a semente,
se mente não germina.
nem tudo termina,
se o sêmem não a insemina.

Declina ante a sina.
Rotina, ruína
Que a natureza destina,
grita e desafina.

Dor na alma
por ser feminina,
Aspirina não elimina.
Mas, diante da vitrina, reanima.

Exibe auto estima,
dança como bailarina.
Na surdina, adrenalina.
Se faz luz e ilumina.

A própria essência,
perfuma tua ausência.
Espelho, purpurina...
Seduz e alucina.