terça-feira, 12 de outubro de 2010

Loucas são as minhas noites...



Vem madrugada, outra vez
Para minha língua vem.
Pelas grades pelos olhos,
Descabelada como a angústia
A fazer-me desconfiar
Que o sol no muro,
E as asas no céu
É melhor prenúncio para mim.
Presa em jaula apertada
A alma aguenta mais séculos,
O aboio do sol. Também eu...
Deus vem vindo, ó madrugada.
Tempo diverso já vivi
Os cães latindo sabem
Latem, lambem-se e sabem
Que os brandos versos não posso mais...
Antes que acabem meus gemidos
Preciso dormir!
Não há leito macio que me absorva,
Nem sonhos que revele
Presépios no fundo da noite.
Somente a sombra prolongando
O amor de sangue e marcas
Que lhe oferto.

T@CITO/XANADU

6 comentários:

Guará Matos disse...

O lamento da fé
A suplica
Ficou-nos a idolatria.

Abraços.

lusibero disse...

DEUS permita que encontres o repouso que procuras...longe dessas imagens de terror próprio de quem não quer a vida...
Abraço de lusibero

Domingos Barroso disse...

a madrugada nos revela
o abissal segredo
do silêncio.
(os versos são cúmplices)

forte abraço,
camarada.

Mai disse...

E a madrugada sempre chega, revelando sua face.

abraços e obrigada por suas palavras.

lusibero disse...

OBRIGADA POR TODO ESSE CENÀRIO de luz e cor!





AS estrelas, felizes, caem...esperando ,imóveis por um momento lindo...
DIGO AO MUNDO QUE TE AMO!

E meus poemas falarão de ti...da luz... da vida!

MªE. R.

mARa disse...

Querido que lindooo!!!!

Amei, essa imagem é magnifica!

Parabéns!

Sobre as letras?! Tristes porém doces, doce é o amor, mesmo na tristeza...

bjo!