quinta-feira, 18 de março de 2010

T E N T A Ç Ã O




A alma conservo isenta
de pecados, fujo à tentação
que me freme o coração,
quando um gôzo me apresenta.

Mas, com fraqueza luto em vão
contra o que a fantasia representa.
Brilha meus olhos de excitação,
meu desejo resistir já não tenta.

À beira do abismo do pecado, embora
sabendo que se nele cair, jamais
hei de ter o que possuo agora,

mesmo assim, uma força me leva
a mergulhar esse abismo, onde não terei
essa loucura que minha alma enleva!


2 comentários:

Guará Matos disse...

O pecado toma conta e quando caimos na sua fome avassaladoras, nos permeos e para quê encontrar a saída?
Abrços.

Layara disse...

ah! esse medo confesso!

Amor deve ser desfrutado
Não ponderado, apenas
saboreado, sem culpas
sem medos, sem amanhãs
Apenas o momento da vontade
que une dois Seres em Amor.

beijo Poeta das planicies!

lindamente escrito!