domingo, 21 de março de 2010

POR QUE POESIA ?


Às vezes a gente pensa que não tem mais nada, mesmo acreditando ter tudo! A riqueza e a pobreza parecem iguais quando olhamos o caminho percorrido até atingi-las. Quase sempre houve a renúncia do belo, o abandono da alma e perda do real sentido da vida. Conquistas e deserções absolutas fazem parte do paradoxo de um mundo cada vez mais regido por valores distorcidos, que desprezam os sentidos e sentimentos em nome de metas e aparências. Progressivamente, a humanidade vai perdendo sua aura de divindade e sua capacidade de abstrair. O ser humano é encarado como uma mera e substituível peça de um mecanismo de resultados físicos, frios e distantes. Pior: aceita essa condição e ainda busca superar esse plano traçado a sua revelia! Escravidão consentida! Vida sem poesia! Os atos mais simples deixaram se ser naturais e gratuitos... Há sempre uma segunda intenção, vil. A inteligência e a racionalidade são exaltadas como principais virtudes humanas. As pessoas são avaliadas, graduadas, selecionadas, consumidas ou descartadas por critérios científicos e herméticos, num processo que lembra ora eugenia ora uma linha de montagem cibernética. Mas não é a capacidade de sonhar e de ver além das imagens que nos torna especiais? Não é a possibilidade de escolher caminhos que nos faz diferentes? Não é essa diversidade a razão poética do fascínio da humanidade? Estamos trocando tudo isso por um adestramento coletivo tendo como contraponto, único, a rejeição explosiva e inócua. A intuição cede espaço ao condicionamento ou ao caos existencial. O ser humano germina, mas não frutifica! Onde estão as metáforas? Onde estão a comunhão de almas e a sublimação da vida? Onde está a beleza explícita ou implícita dos gestos, das palavras e dos pensamentos? Parece que estamos sendo conduzidos, inconscientemente, à negação da humanidade, em tempos difíceis ou não. Mas mesmo atingida essa sarjeta, virtual ou real, sempre será possível resgatar nossa natureza, bela e divina, pois ao revirar esse lixo existencial nada impede que encontremos uma rosa vermelha! Quem sabe nos lembremos de um jardim... Talvez de um amor sincero... Ou seus espinhos, numa distração do destino, façam aflorar nosso sangue e lembrem que a vida flui em nós com a métrica do coração, e que temos uma mente, milagre supremo da Criação, capaz de duvidar, imaginar e entender o universo, em prosa e verso! Assim, talvez tomemos essa rosa, a coloquemos na lapela e então, despertos e iluminados - como um cego que recobra o sentido da visão -, passemos a enxergar, com um sorriso na alma, a beleza, a esperança e a poesia que a cegueira de espírito ocultava. Saibam que, mesmo na indigência, do ser ou do ter, não há rima pobre! Todos os sonhos e pensamentos vertidos em palavras são livres, preciosos e indispensáveis à vida! Todos carregam emoções e verdades capazes de, no momento certo e preciso, alegrar ou consolar, derrubar muros ou construir ideais! Com tal poder transformador, mesmo um poema gratuito não tem preço! Como pode haver pobreza para quem distribui tal riqueza? Todos somos livres, ricos e poetas! Essa é a nossa condição fundamental! Por que, então, poesia em tempos de indigência? Porque até as preces de aflitos, esperançosos e agradecidos são feitas em verso! Porque as epopéias que falam da superação de adversidades são descritas em verso! Porque mesmo o rigor de um dogma e a arrogância dos poderosos não resiste e cede passagem à ousadia de uma licença poética! Porque a razão nos guia no solo firme, mas é a poesia que nos faz voar e ver além da escuridão ou da linha do horizonte! Em suma, porque a poesia precisa existir em qualquer tempo!


Adilson Luiz Gonçalves

9 comentários:

Paulo Braccini disse...

Estive fora alguns dias e com dificuldade para ir nos blogs amigos para minha habitual visita. Agora estou de volta e feliz por poder matar minhas saudades de todos os amigos blogueiros e suas ricas emoções ...

"Todos carregam emoções e verdades capazes de, no momento certo e preciso, alegrar ou consolar, derrubar muros ou construir ideais! Com tal poder transformador, mesmo um poema gratuito não tem preço! Como pode haver pobreza para quem distribui tal riqueza? Todos somos livres, ricos e poetas! Essa é a nossa condição fundamental!"

Qta beleza, qta força e qta verdade nestas palavras ...

bjux

;-)

Guara.Matos disse...

A poesia é o devaneio que nos leva a sonhar. E sonhar é bom, idelizamos o que desejamos ser.
Abraços.

Solange Maia disse...

Tácito,

Foi o texto mais belo do final de semana....

Quantas verdades, uma pena essa submissão à verdades criadas para serem consumidas...

viva a poesia, e como disse lá nos meus eucaliptos, que a gente saiba escrever com a luz.... e sentir também....

você é especial...

beijos

Denise Guerra disse...

BRAVO!!! lindo, maravilhoso!!! Caro amigo Tácito, venho agradecer as suas poéticas visitas ao meu blog! Vc não sabe como me deixa feliz pois, além da participação, vem as marcas poéticas que vc deixa por lá provocando encantamento, leveza, luz, harmonia com o que foi postado por mim; enfim, sua presença é essencial!!! Obrigada por tudo!!! Tenha uma ótima semana!!!

Layara disse...

...Querido Paulo, pq a Poesia?

dissertou lindamente sobre as nuances da vida, essa inconstancia tão constante de fatos que flamejam vontades,desejos,missões e submissoes as vezes alienações, palpites e sempre resta a pergunta sobre as razões da Vida.

A poesia existe desde sempre, talvez para amenizar e dizer de forma metafórica o que enchergamos da vida.

deixo-te um link sobre gestalt, é interessante e prazeroso saber mais.

Beijoos!

Paz e Luz!

http://www2.uol.com.br/vyaestelar/gestalt.htm

sarah disse...

A poesia é o que nos faz acreditar em algo surreal, eu pelo menos sinto um mero prazer em continuar lendo, e me entregando cada vez mais :]

Layara disse...

...Beijo de outono!

Paz e Luz! (risos...muita Luz, lembro-me que um dia escreveu algo sobre eu te desejar sempre muita Luz, continuo...)

Anônimo disse...

Caro T@cito,
Grato pela publicação de meu texto "Por que poesia" e pelos gentis comentarios dos participantes.
Este texto está vocalizado no Portal "Caros Ouvintes" (www.carosouvintes.org.br), na seção "Rádio Ativa". Também tenho outros textos publicados lá.
Quem quiser conhecer outros artigos, crônicas e poemas de minha produção, pode acessar minha página: www.algbr.hpg.com.br.
Um grande abraço a todos e Feliz Páscoa!
Adilson Luiz Gonçalves

Anônimo disse...

Belissima postagem!!
Sejamos fortes e perseverantes sempre,,sem muito porque.
Abraços GUI.