terça-feira, 19 de maio de 2009

SUBMISSO


O que será que ela pensa
quando não diz?
Por que será,
que diz sem pensar?
Quando some,
o que será que faz?

Fazendo o "bem" sem olhar a quem?
Minto se digo que sei.
Palavras e receios silenciei,
sei como ela é...
Não necessita de mim,
senhora ela é.

Sem ela tudo se torna ilusão,
com ela, sonho vira ação.
Querer é ter significado,
depois de ter o ego esmagado.
Tanto que não ouso saber,
Finjo desobedecer...

Ela dói estranhamente,
moral e fisicamente.
Dói os amores,
dói os agravos,
sou teu escravo...
És minha rainha.