quarta-feira, 27 de maio de 2009

I M P R E V I S Í V E L


Ao descer, o ventre aberto do impossível
rolaram os dados
pelo esperançoso verde
do leito de veludo.
Como a sorrir possibilidades.

Todos os desejos que a alma sente
ficam atentos nesse instante.
Ao parar o giro da sorte,
a alegria em meu semblante
se esvanece dolorosamente...

Foge, foge de mim,
foge da minha perplexidade.
Sei onde se perde menos!
Façam fila! jogo franco,
a sorte a gente é quem faz.

Ameaças, promissórias, desacato.
Censuras por minha falta de tato,
se tudo corre bem, ainda assim
existe o hábito ruim,
de amaldiçoar a sorte.


T@CITO/XANADU