terça-feira, 5 de maio de 2009

AMAR E SE PERDER...

Abraço-te
com um sorriso.
Quero no teu corpo rijo um canto,
um paraiso agora de um para lá inexistente.
Um silêncio de horas insones,
no sal de auroras boreais.

Perder-me em devaneios sem receios,
no mar do desejar viajar.
Em ventos e anseios, sem rodeios,
nos seus gestos que dançam,
serenos, enfim... Só para mim.
Apenas , faz-me assim.

É fascinação o amor que quero tecer.
Do amor o que posso falar? Calar.
É leveza do beijo de desejo,
levado aos lábios amados, mordidos,
é semente da paixão, ou tesão.
Que planta em mim o desejar flutuar.

Palavras só são poemas apenas,
quando são emoções profanas profundas.
Quando é na pele nua e crua,
chama que ascende, depende...
Poderá ser forte ou morte.
Talvez minha alma destrua, ou apenas será tua.