quinta-feira, 19 de março de 2009

R E T O R N O


Primeiro a tormenta do desejo.
Depois, um mergulho no azul
Profundo dos teus olhos,
um azul de mar, que me faz rir e chorar.
E, convidam-me ao seu beijo.
Bebo em teus lábios, mordo o seu sorriso.
Um estremecer frenético, perco o juízo.
Penso, que se te envolver, podes de novo
me pertencer.
Repouso o meu rosto em teus seios,
sossego minha alma.
Mas, o desejo reprimido já não quer calma,
como um vulcão de lava candente,
não quer permanecer latente.
Em teu perfume está o cheiro do amor.
Transporto me ao etéreo.
Corro para beber da tua fonte,
meu corpo sangra meu suor,
mas, sei que se morrer serei eterno.
Então, o gemido de um mundo caindo,
da vida acabando, vindo ninguém sabe de onde.
imagina-se, que de longe...
Num segundo cessa o som,
a imaginação para de correr,
explosão de luzes e cores,
um caleidoscópio alucinógeno.
Plainamos juntos, passa-se o instante...
Sinto prazer também, em ver teu sofrer,
e saber que também você,
não conseguiu...
Me esquecer.


T@CITO/XANADU