quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

SONHOS PERDIDOS


Você apenas possui meu corpo
Minha carne,
Nada mais.

Você apenas ouviu
Gemidos que não eram
De prazer

Nem de alegria,
Mas de dor derramada
Lentamente.

Sonhos perdidos
Ilusões frustradas
Indiferença que atormenta.

A flor de carne
Em banho de névoa
Ensaia lâmpadas em torno

Vagueia pela calçada
Num andar sem destino,
Comendo figuras na rua.

Aproveitem de sua sina
Compartilhem essa chacina
Que aos monstros alucina

Neuróticos insetos
Praticam seu incesto
Isentos de moral.

Até a ceifa final
Nutrem, o homem
As flores do mal.


"A tolice, o pecado, o logro, a mesquinhez
Habitam nosso espírito e o corpo viciam."
( Baudelaire )