sábado, 5 de setembro de 2009

E POR FALAR EM SAUDADE...


Ainda é tempo de semear a paixão
Perdi a manhã mais bonita
Semeando um amor inexistente
Levou-o o vento
Pelas planícies do adeus.

Sementes indecisas,
impregnadas de você.
Que fazer de suas partes ausentes?
Mas se for tempo de aguardar,
Preciso saber...

Brotou saudade de asas abertas
Descubro tarde
Faltou-me o gesto jardineiro
Minhas mãos não são só minhas
Partilhadas estão.

Junto a outras
Erguem-se à solidão.
Com o barro em cada mão
Moldo o jarro
Feito em arte ou não.

Brôto de vida e sonho
Na manhã semeada
Desperta carinhada
Parida
Florida


(Não precisa deixar a luz acesa!)