quarta-feira, 17 de junho de 2009

T U D O P A S S A.


Poeta não conte prosa
Não reclames do mundo
O dia continua inteiro.
Destroços é sob a terra,
Deixe com o coveiro.

Não se faz poesia
No fundo do poço,
Nem no alto da torre
Mas, à altura dos olhos,
E da imaginação vadia.

Para que chorar?
Para que se lamentar?
Se algo te faz sofrer,
Não perca a razão...
Rumine a insatisfação.

Coisa que não se vê
Ou ficou no passado,
Não machuca, não faz sofrer...
Deixe tudo enterrado,
Foi coisa que sonhou.